No ponto mais alto da Via Sacra prende-se o Calvário Húngaro e a Capela Santa Estêvão da Hungria. A inspiração da Construção do Calvário Húngaro surgiu por meio de dois sacerdotes húngaros, padre Elias Kardos e padre Luís Kondor, que atentos a Mensagem de Fátima, enxergaram nessa mensagem uma “luz” de Deus para o povo húngaro que vivia sob a pressão da ditadura do comunismo e a perseguição da Igreja após a II Guerra Mundial. Os dois sacerdotes húngaros entenderam que as promessas de Nossa Senhora contidas na mensagem de Fátima também era para o povo húngaro. Desse modo surgiu a ideia de construir em Fátima um Calvário com 14 estações, que contou com o auxílio do povo húngaro.
O local é interessante, cativante e silencioso o que permite uma experiência de paz e tranquilidade de espírito. O espaço circundante é irregular, rochoso, rodeado de oliveiras e azinheiras, convida à fé, à espiritualidade e à reflexão.